quinta-feira, 12 de abril de 2007

Idéia cabeluda

Os anos 70 se caracterizaram pela "porralouquice" desvairada que tomou conta da moda, da música, do sexo, das artes e dos cabelos. As bermudas Sundek com visual a la seventies trazem um pinto ostentando uma cabeleira black power tão vasta que transborda pela parte de cima da bermuda. Entendemos que todo mundo era cabeludo e a aversão generalizada a tesouras só ombreava com a capacidade que Jim Morrison tinha de ingerir álcool. Mas, daí a inventar um caralho black power é como pedir pra Janis Joplin cantar uma música da Sandy. Não dá. Não cabe. O anúncio provoca, quando muito, risinhos e pensamentos marotos acerca da abundância de cobertura púbica do cidadão, mas vender bermuda que é bom, duvido. O visual incomoda tanto quanto um pentelho entre os dentes.

6 comentários:

Palhaço Carequinha disse...

Puta que o pariu.
Gold na toscolândia Festivals, com certeza.....

alexandre disse...

disgusting

Anônimo disse...

Noooossa! É o nascimento do Éneas, é?

Tiago disse...

Eles podem agora aproveitar para fazer uma bela venda casada.

Você compra esse shorte e junto vem um shampoo anti-caspa.

Com um tufo desses não tem "couro cabeludo" que agüente!

tid disse...

eca!

A Criança Escrota disse...

A bermuda é escrota, o anúncio é escroto, o conceito é escroto, a foto é escrota, a direção de arte é escrota, o título é escroto, o texto é escroto, os publicitários que criaram essa bizarrice são escrotos, a agência que emprega esses escrotos é escrota e assim por diante pois para pentelho black power que tenta vender bermuda, o termo ESCROTO nunca vai ser suficiente...